terça-feira, 4 de agosto de 2015

A banda e os caras mais legais do mundo: Foster The People

Amor por música, relacionamento à distância,amor por Foster The People

Para ser bem sincera, sou uma pessoa volúvel. Tem horas que eu gosto de tanta coisa, e tem outra que eu já cansei, já não quero saber mais. Entretanto, uma coisa que não tem mudado é meu gosto musical pela banda Foster The People, são uns caras de Los Angeles.

Foster The People, amor por música, relacionamento musical, AudioClub, Show em São Paulo do Foster
(Foto: Yanes Sarah)
A banda foi formada pelo vocalista Mark Foster em 2009. Meu gosto musical é bem indie rock, mas claro que curto um POP, estilo Beyoncé. Voltando ao assunto Foster The People, não tem um dia que eu não deixe de escutar esses caras.

Em 2011, os conheci sim pela música Pumped Up Kicks, mas do jeito mais errado possível. Isso porque, inocentemente, achei que quem era dono dessa música era o Tanner Patrick. Demorei um tempinho para me dar conta que ele não era o responsável, afinal não encontrava nenhuma música do Foster e via que ele só postava músicas de outros cantores, meus caros, aí caiu a ficha!

Daí, foi quando ouvi, sinceramente não lembro como, Houdini. Me apaixonei pela segunda vez, e descobri quem eram os caras. A partir daquele dia, um dia qualquer de 2011, me agarrei a eles.

Então, foi em 2015 que tive a chance de chegar pertinho deles. Vieram ao Brasil para fazer um show no Lollapalooza, nessa eu descobri que eles fariam um show extra em São Paulo. Corri para comprar o ingresso, com boas semanas de antecedência.

Foi incrível.

Fui sozinha, com a cara e a coragem. Fui mesmo, precisava daquilo, precisava curtir a música deles ao vivo. Precisava ver que depois daquele dia, nada mudaria. E, não mudou. Tenho sérios problemas com shows, geralmente eu acabo me enjoando e paro de ouvir. Com eles, eu passei a escutar todos os dias, e me deparar até com umas lágrimas.

Para lembrar daquele dia, me bate uma nostalgia, me bate uma vontade de voltar no tempo. Me bate a vontade de ter toda aquela sensação de volta. Vontade de ouvir The Truth e Nevermind de novo e de novo. De vibrar com várias pessoas com Pseudologia Fantastica


Não há um dia eu não sorria quando escuto o Mark cantar. E, a verdade é que me pego pensando o dia que vou poder ver um próximo show deles. Me pergunto, quando poderei ver a dancinha inusitada de Mark Foster ao cantar CallIt What You Want. Só sei que esse amor não é amor passageiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário